Complexo cultural reverencia o poeta que amava as favelas

O primeiro núcleo do AfroReggae nasceu no ano de 1994, em Vigário Geral. A Organização Não Governamental – hoje instalada também em bases na Lapa, Caju, Cantagalo e Parada de Lucas – iniciava então seu trabalho nas comunidades do Rio de Janeiro. Por meio das primeiras oficinas de reciclagem de lixo, percussão e dança, havia o prisma de transformar vidas através da arte, cultura e educação.
Em 2010, foi inaugurado o Centro Cultural Waly Salomão, sede atual da ONG. O edifício de quatro pavimentos, ambientado pelo escritório do designer Luiz Stein e com iluminação assinada por Peter Gasper, homenageia o saudoso poeta baiano, amigo e guru de José Junior, coordenador executivo do projeto de inclusão social. Foi ele, um amante das favelas, quem apresentou a iniciativa a Caetano Veloso e Regina Casé, que se tornaram padrinhos da Banda AfroReggae, agora AR21.
O complexo cultural de dois mil metros quadrados – um dos maiores dentro de uma favela na América Latina – tem curadoria do sociólogo Hermano Vianna. Abarca biblioteca, dois estúdios de gravação, salas de dança e ensaio de teatro e espaço dedicado ao hip hop, oferecendo oficinas artísticas gratuitas, além de shows de música popular.

Centro Cultural Waly Salomão
Rua Santo Antônio, 11