Armazéns do Engenhão turbinam o roteiro cultural do subúrbio carioca

Até o recordista jamaicano Usain Bolt, ao brilhar no Estádio Nilton Santos durante a Olimpíada 2016, fez questão de conhecer o morador mais ilustre do Engenho de Dentro. Ali, na mesmíssima rua do complexo esportivo, reside há mais de quatro décadas Osvaldo Alves Pereira, o nosso Noca. “Só preciso dar alguns passos para chegar ao popularmente chamado Engenhão, onde sou logo conduzido a um camarote. Estou sempre confraternizando com ídolos inesquecíveis do Botafogo Futebol e Regatas – que arrenda o espaço –, como Jairzinho, Amarildo e Donizete Pantera”, conta o portelense tricolor.

Além dos jogos, cabe lembrar que o estádio, inaugurado em 2007 pela Prefeitura, ocupa um antigo terreno da Rede Ferroviária Federal. “É interessante visitar o Museu do Trem – ao lado da Ala Sul do Engenhão –, criado nas antigas oficinas que tomavam um quarteirão inteiro. O prédio principal é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan)”, afirma o “mensageiro que Papai do Céu colocou aqui na Terra como um defensor da MPB”.

O galpão da Estrada de Ferro Central do Brasil, que chegou a ser o maior conjunto de instalações do gênero na América Latina, expõe um fantástico acervo, desde peças de mobiliário a locomotivas. Entre estas, destacam-se a Baroneza (de origem inglesa e assim denominada em homenagem à esposa de Mauá, foi a primeira a trafegar no País, em 1854), o Carro Imperial (que serviu a D. Pedro II), o Carro do Rei Alberto (integrante da composição adaptada para atender ao soberano belga em passagem pelo Rio, em 1920) e o Carro Presidencial, à disposição de Getúlio Vargas na década de 30.

Após a Olímpíada, a Praça do Trem deu uma levantada no bairro familiar, onde ainda se pode “comer churrasquinho e tomar um chá de macaco”, segundo Noca – ex-secretário estadual de Cultura do Rio de Janeiro –, nas esquinas. Os finais de semana nos Armazéns do Engenhão, numa área de 35 mil metros quadrados, são turbinados por atrações gratuitas variadas, como o Samba da Feira, do grupo Bororó, todos os sábados, a partir das 15h. Além, claro, do próprio Noca, já cantaram na roda de raiz nomes como Diogo Nogueira, Jorge Aragão e Xande de Pilares. A batucada divide a pista de cimento em perfeita harmonia com os passinhos das edições mensais do Baile Charme. Em meio a tantos gols de placa do glorioso Engenhão, é só chegar lá, se juntar à torcida e correr pro abraço.

Estádio Nilton Santos – Complexo do Engenhão
Rua José dos Reis, 425 – Engenho de Dentro
Tel.: (21): 2546-1994