Acervo contém mais de 90 mil peças dos cinco continentes

O partido arquitetônico mameluco chama a atenção. Mas poucos conhecem o Museu da Humanidade, um castelo em estilo islâmico que abriga um acervo de 90 mil itens das culturas dos cinco continentes, desde os primórdios da civilização.

Segundo Claudio Prado de Mello – idealizador do projeto e presidente do Instituto de Pesquisa História e Arqueológica do Rio de Janeiro (Ipharj), que administra a casa –, as peças provenientes do exterior foram compradas em leilões. E as brasileiras, pertencentes à União, descobertas em escavações feitas pelo Ipharj.

O acervo inclui estátuas de calcário medievais, mármores romanos, cerâmicas egípcia e grega, joias, vestimentas e instrumentos de tortura da época da escravidão, entre muitas outras relíquias.

O projeto, inaugurado em 2002, ocupa uma área de 2,5 mil metros quadrados, distribuídos por quatro pavimentos. No térreo, há um espaço para eventos, salas de exposições, área de pesquisas com dois laboratórios e biblioteca com mais de 40 mil títulos. Para arrematar, um bistrô com especialidades da culinária do mundo todo.

 

Museu da Humanidade
Avenida Chrisóstomo Pimentel de Oliveira, 443