Resistência de sebo no Corredor Cultural remete à epopeia de Camões

Ao caminhar pelas estreitas ruas do Centro, nos surpreendemos pelas preciosidades encontradas ao longo do chamado Corredor Cultural. Uma delas – numa rua cujo nome por si só já é uma inspiração literária, a Luís de Camões – propicia uma viagem ao Rio Antigo, com pitadas de Paris e Buenos Aires. No número 10, o casarão do Letra Viva simboliza a resistência de estabelecimentos que alimentam o amor pela escrita.

Luiz Barreto, dono do sebo, gosta de contar que a ideia de manter um acervo com títulos de arte, filosofia, literatura e história, em plena era digital, representa uma epopeia como a de Camões, em sua obra “Os Lusíadas”. Segundo ele, o empenho em conservar o espaço de portas abertas remete às narrativas sobre a bravura dos navegadores portugueses em mares revoltos e desconhecidos.

Decorada com peças e móveis antigos, a loja, que funciona desde o ano 2000, reúne ainda álbuns de figurinhas, cartões postais e discos de vinil. O ambiente é bem convidativo para aqueles que, além da compra de publicações, buscam momentos especiais em torno das páginas de coleções raras e embalados por boa música.

A casa divide espaço com as mesinhas do charmoso bistrô Café Olé, que oferece um cardápio sofisticado, incluindo tapas, massas frescas, ceviche, carpaccio, doces e café expresso. No melhor estilo francês, um chef ajuda os frequentadores a escolher a combinação perfeita entre seu lanche e uma saborosa leitura. Em síntese, uma autêntica jornada de pão e poesia, que pode ser ainda mais enriquecida por um passeio pelo entorno, onde se localizam a Igreja de São Francisco de Assis – construção do início do século XVII –, o Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, o Real Gabinete Português de Leitura e o Centro Cultural Hélio Oiticica.

Letra Viva
De segunda a sexta, das 9h às 18h
Rua Luís de Camões, 10 – Centro
Tel.: (21) 2252-3460