Sociedade fundada em 1868 teve Lalá como professor de dança

Quem das antigas não pulou no salão ao som de “Linda morena” e a hoje politicamente incorreta “O teu cabelo não nega” que atire o primeiro rolo de serpentina. O Lalá das marchinhas de carnaval, do samba-canção “No rancho fundo” e dos hinos dos principais clubes de futebol cariocas é arquipopular. Entretanto, a face refinada de autor de valsas permanece pouco difundida até hoje, 115 anos após a morte de Lamartine Babo.

Ele nasceu no mesmo ano de fundação do seu time de coração, o América Futebol Clube, na Rua Teófilo Otoni, no Centro, em uma família extremamente musical, que recebia a visita de Ernesto Nazareth, Catulo da Paixão Cearense e vários chorões. Esse convívio privilegiado despertou o talento precoce do garoto que, em 1917, quando seu pai faleceu, criou a primeira valsinha, “Torturas de amor”. A produção mais erudita inclui operetas como “Viva o amor”, trazendo “Eu sonhei que tu estavas tão linda” (parceria com Francisco Mattoso), lançada em 1941.

Mas antes, quando o Rio começou a viver o esplendor dos grandes bailes do Copacabana Palace e do Clube Ginástico Português, Lamartine havia sido, neste último, professor de dança – uma ocupação, convenhamos, insuspeitada no extenso currículo do compositor e radialista. Para complementar o orçamento, o ex-office boy da Light ensinava os primeiros passos a quem quisesse rodopiar pelas pistas nas noites de gala da casa.

Inaugurada em 1868, a Real Sociedade Clube Ginástico Português funcionou originalmente num sobrado na então Rua do Hospício (atual Buenos Aires), que chegou a receber a visita do Imperador Pedro II. Até hoje, a sede em estilo Art déco da Avenida Graça Aranha conserva a missão de dinamizar as atividades esportivas, artísticas, culturais e sociais, promovendo a integração da comunidade luso-brasileira. A cobertura do edifício ganhou a primeira piscina suspensa da América do Sul, com 25 m de extensão. Lá, há um simpático restaurante de comida caseira, com pratos como bife de panela com batatas coradas, espaguete com almôndegas, frango com quiabo e filé de peixe com arroz de brócolis.

Nos oito pavimentos, distribuem-se o salão nobre de festas, eventos e exposições, sala de jogos, restaurante com comidas típicas portuguesas e brasileiras para 300 pessoas, bar, ginásio esportivo, academia de musculação e o belo Teatro Ginástico, palco de inúmeros espetáculos das artes cênicas brasileiras. O clube oferece aulas de música, canto coral, ioga e muay thai. E a Escola de Dança segue em pleno funcionamento nas diversas modalidades – sob a inspiração do professor Lalá, que, mesmo com suas valsas sofisticadas, nunca deixaria de ser popular. Ao falecer em 1963, teve seu caixão acompanhado por centenas de pessoas e coberto com a bandeira do América, em respeito ao seu último desejo.