Passos coreografados bombam em festança no “dutão” de Madureira

O Baile Charme do Viaduto de Madureira, inaugurado há 28 anos, virou tradição das noites de sábado, atraindo um público que estampa diversidade. São jovens, famílias inteiras e forasteiros de todos os cantos do Rio (e do mundo!) empolgados com a coleção de passinhos coreografados que fizeram a fama do lugar.

O bairro é conhecido por ser um dos berços do samba, mas no sábado o ritmo dominante no dutão – apelido carinhoso do espaço – atende pelo nome de new jack swing, estilo musical híbrido, popular no fim da década de 80, que mescla samples e técnicas de produção do hip hop com o rhythm and blues. O vigoroso som de sintetizadores, teclados e caixas percussivas faz a alegria dos frequentadores do evento, que se tornou patrimônio imaterial da cidade do Rio de Janeiro em 2013.

Charmeiros de carteirinha ditam o ritmo dos passos combinados, seguidos pelo público em geral. A princípio pode parecer complicado, mas é só se arriscar e entrar na dança para pegar a coordenação dos movimentos. Diferentes tribos se juntam para balançar o esqueleto ao som dos DJs residentes e convidados, além de atrações diversas em datas especiais. Quem quiser levar uma lembrancinha, pode comprar um dos CDs/DVDs de conjuntos de charme vendidos no local – dá até para ensaiar os passinhos em casa para fazer bonito numa próxima!

O baile, que reúne duas mil pessoas no vão central, surgiu com um grupo de camelôs do viaduto que gostavam de discotecagem. No início, o projeto contou com o apoio do renomado DJ Malboro, que emprestou os equipamentos. O termo charme foi cunhado pelo DJ Corello em uma festa que acontecia no Clube Mackenzie, também no subúrbio carioca. Na parte lenta do set, o DJ falava para a plateia: “chegou a hora do charminho, transe seu corpinho bem devagarinho”. E o povo até hoje segue à risca as palavras do craque das carrapetas!

Baile Charme do Viaduto de Madureira
Todos os sábados, a partir das 22h
Viaduto Negrão de Lima – Madureira