Capela de Santo Antônio da Bica foi saqueada por corsários franceses em 1710

Residência do célebre paisagista – desde 1973 até sua morte em 1994 –, o Sítio Roberto Burle Marx constitui um território de exploração sem fim. Nos seus 365 mil metros quadrados, vicejam cerca de 3,5 mil espécies, sobretudo plantas tropicais autóctones brasileiras. O patrimônio botânico é reconhecidamente uma das mais relevantes coleções vegetais do planeta. E se enriquece com um importante acervo museológico, bibliográfico e artístico, abrangendo cerâmicas, vitrais, tapeçarias, painéis em azulejos e imagens sacras.

Burle Marx adquiriu, em 1949, uma propriedade em Barra de Guaratiba, chamada de Fazenda da Bica, até o século XVII, por lá existirem fontes de água canalizadas pela população até uma bica acessível a todos junto à estrada. O conjunto arquitetônico incluía a sede e uma igrejinha construída em 1690 por ordem do capitão-mor Belchior da Fonseca Dórea, em homenagem a Santo Antônio – denominada então Capela de Santo Antônio da Bica. O templo foi saqueado e incendiado por corsários franceses, que invadiram a cidade por Guaratiba, em 11 de setembro de 1710.

De “composição singela, com frontão triangular de modenatura simplificada e sineira lateral”, segundo o Guia da Arquitetura Colonial, Neoclássica e Romântica do Rio de Janeiro, o templo acabou sendo restaurado pelo próprio capitão. Em 1915, o Cardeal Arcoverde, o primeiro a assumir esse posto na América Latina, recebeu homenagens na capela, que hoje se encontra junto aos exuberantes jardins desenhados por Burle Marx. Todo 13 de junho, os moradores de Guaratiba organizam uma procissão em homenagem ao “santo casamenteiro”, a partir do portão de entrada do Sítio até a capelinha, onde crianças fazem a coroação do padroeiro. Ao longo do ano, ela fica aberta para a celebração de missas dominicais, podendo receber visitas previamente agendadas em outras datas.

Os passeios guiados de terça a domingo pelo Sítio – que o artista doou ao Iphan em 1985 – permitem conhecer, também, o imóvel projetado para receber eventos, palestras e cursos, com auditório, laboratório de pesquisas, sala de exposições e área destinada a atividades educativo-culturais. O espaço exibe belos vasos confeccionados na Itália a partir de moldes originais de Burle Marx, além de lustres, painéis e almofadas criados pelas mãos mágicas do
designer e escultor.

O percurso de quase dois quilômetros a pé, em grupos de no máximo 35 pessoas e com 90 minutos de duração, engloba ainda a biblioteca especializada em botânica, paisagismo, história da arte, museologia e arquitetura e o arquivo com documentos e fotografias pessoais. Por tudo isso, a candidatura do Sítio – localizado na vertente oeste do Morro do Capim Melado, integrante do maciço da Pedra Branca – a Patrimônio Mundial da Unesco passará por avaliação final em 2020. Nosso lindo balão azul merece, incontestavelmente, esse prêmio.

Sítio Roberto Burle Marx
Estrada Roberto Burle Marx, 2019 – Barra de Guaratiba
Tel.: (21) 2410-1412