Instalações fabris se transformam em polo de economia criativa

Sabe a bala Toffee – aquela que vinha num saquinho de papel celofane, com o nome escrito em caprichosas letras azuis? Pois é, nasceu na Fábrica Bhering, a primeira produtora de chocolate do Brasil e grande exportadora de café. Suas instalações, inauguradas nos idos de 1880 na Zona Portuária, se converteram, a partir de 2010, num importante polo da economia criativa carioca.

Os seis pavimentos, com mais de 10 mil metros quadrados de área construída, que ocupam todo um quarteirão, abrigam hoje cerca de 80 ateliês de pintura, escultura e fotografia; lojas de arquitetura, design e moda; e estabelecimentos gastronômicos. O projeto da edificação – que tira partido da luminosidade natural, valorizando a interessante estrutura de ferro importada de uma antiga fábrica alemã – encanta não só os visitantes: é o cenário de muitas produções de cinema, televisão, fotografia e moda.

Por lá já passaram eventos como “Pôr do sol no Terraço Bhering”, “Menu degustação com músicas de Tom Jobim”, “Leilão de arte contemporânea” e “Território carioca”, no qual as marcas da casa homenagearam o Rio, por meio de instalações artísticas, atrações musicais, performances e lançamentos de livros. Vale um doce rosetar na Bhering.

Fábrica Bhering
Rua Orestes, 28