“Pequena África” testemunhou o nascimento do samba carioca

Esculpida na Pedra do Sal — monumento histórico e religioso tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural, no bairro da Saúde —, uma escada com 42 degraus conecta os dois trechos da Rua Argemiro Bulcão, o do asfalto e o que fica na subida do morro da Conceição. Na base, há uma bifurcação, com o mesmo número de degraus para os dois lados. Lá em cima, um simpático conjunto de casas coloridas do início do século XX é cercado por insígnias do Rio colonial. Há uma fortaleza antiga, onde os Inconfidentes mineiros foram aprisionados e, atualmente, funciona o Serviço Geográfico do Exército.

A região é conhecida historicamente por “Pequena África”, que se estendia do entorno da Praça Mauá até a Cidade Nova. Nas festas em casas de escravos e forrós tocava-se o choro com flauta, cavaquinho e violão. No quintal, acontecia o samba rural, batido na palma da mão, no pandeiro, no prato e faca — e dançado com sapateados, peneiradas e umbigadas. Sim, na Pedra do Sal nasceu o samba carioca. Grandes nomes da música frequentavam o local, como Pixinguinha, Donga e João da Baiana, que dá nome ao largo onde fica a escada. Ali, o sal importado de Portugal era descarregado por escravos africanos que trabalhavam nos cais de atracação e nos trapiches. Os degraus foram talhados na pedra pelos próprios negros e testemunharam o surgimento dos primeiros ranchos carnavalescos, afoxés e pontos ritualísticos, na segunda metade
do século XIX.

A informalidade permanece até hoje, com os músicos do grupo Roda de Pedra tocando ao ar livre em uma mesa central, ao pé da pedra,onde apenas o som de instrumentos como violão, cavaquinho, reco-reco de bambu, cuíca, surdo e pandeiro são amplificados. As letras, cantadas “no gogó”, ganham voz com o acompanhamento do público, que vai se acomodando por todo o Largo João da Baiana. Nos arredores, barracas e bares mantêm a tradição de oferecer pratos com alguma influência da culinária da época colonial, como o famoso Angu (base da alimentação dos escravos) do Gomes. O Morro da Conceição guarda muitos outros encantos, como o Jardim Suspenso do Valongo, o Cemitério dos Pretos Novos, o Palácio Episcopal
da Conceição, a Fortaleza da Conceição e a Igreja São Francisco da Prainha.

Escada da Pedra do Sal
Bairro da Saúde