Sobrado na Praça da Gávea virou point da música carioca

A intensa movimentação do cantor, compositor, percussionista e ator Pedro Miranda na agenda cultural do bairro onde mora lhe rendeu até o epíteto de “prefeito da Gávea”. Pudera. Lá, desde 2017, ele comanda o Samba da Gávea, às segundas-feiras, na Da Casa da Táta. Iniciou, em novembro do ano passado, o Coletivo Choro na Rua, evento gratuito na Praça Santos Dumont, aos sábados. E seu Forró da Gávea abarrota o Dumont Arte Bar, na esquina em frente à praça, todas as quartas.

“Em outubro, inauguramos também no Dumont, com curadoria artística minha, o projeto Lapa-Gávea. Às quintas, há sempre um show com a geração que revitalizou a música carioca a partir do Bar Semente, como João Cavalcanti, Moyseis Marques, Ana Costa e Nilse Carvalho. Trouxemos ainda as segundas instrumentais, comandadas pelo violonista Zé Paulo Becker, que ocupou o Semente por quase 20 anos”, reporta Pedro.

O espaço, aberto em 2017, ocupa o sobrado onde funcionou por duas décadas e meia a Casa da Gávea, uma referência na cena cultural independente da Zona Sul do Rio. Depois de passar por uma ampla reforma, o imóvel, tombado pelo Patrimônio Histórico e Cultural da cidade, segue abrigando manifestações artísticas fora do circuitão – shows, eventos, festas, apresentações de DJs, exposições e performances.

O local assumiu ares mais contemporâneos. Intimista, com capacidade para 150 pessoas, ganhou palco, bar e mezanino. Foram conservadas a varanda, com vista para o agito do Baixo Gávea, e a escada de entrada, que reproduz nos degraus a letra da canção “Há um grito parado no ar”, de Toquinho e Guarnieri. O novo point nasceu sob a égide da construção de um ambiente cultural democrático, acolhendo artistas com trabalhos originais e diversificados – e expostos à venda aos clientes.

O Forró da Gávea, além do “prefeito”, é formado por Rafael dos Anjos (violão), Kiko Horta (sanfona), Pedro Aune (baixo acústico) e Durval Pereira (Zabumba). E tem sempre convidados especiais. No repertório, clássicos de Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro e Dominguinhos, passando por Gilberto Gil, Djavan e Chico Buarque, assim como composições próprias e da nova geração.

Para incrementar a programação, a casa oferece drinques especiais, em complemento às torneiras de chope artesanal. As comidinhas vão de batata rústica recheada a bruschettas e ceviches. “O Dumont virou o nosso clube. Os donos nos recebem muito bem, vibram quando chegam os músicos para dar canja e apoiam toda essa movimentação cultural. Termos um endereço especial na Gávea com esse perfil é um presente para a música carioca e os artistas de uma forma geral”, comemora Pedro. A gestão desse alcaide está aprovada com louvor.

Dumont Arte Bar
Praça Santos Dumont, 116 – sobrado – Gávea
Tel.: (21) 3199-0151