Ermida induziu o primeiro povoado da região no século XVII

Num outeirinho a 170 metros de altura – ornado pelos maciços da Tijuca e da Gávea e pelas serras de Guaratiba –, conserva-se a graça da Igreja de Nossa Senhora da Penna, uma das mais antigas do Rio. Em 1664, o padre Manuel de Araújo erguia a “casa para rezar e defender cristãos”, uma “edificação afortalezada, de paredes espessas de madeira de lei, contra o abuso no trovejamento e ante a ameaça de pirataria e temendo as flechas dos índios”.

Tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional, a ermida devotada à padroeira das artes, das ciências e da imprensa originou o primeiro povoado de Jacarepaguá. Ela se situa num pequeno adro elevado, envolta por um muro dotado originalmente de seteiras, onde se instalavam soldados e canhões em defesa da cidade. Apresenta um frontão triangular com tímpano reto e uma única torre sineira, guarnecida por um relógio de sol em mármore.

No interior, exibe um raro conjunto da azulejaria portuguesa, composto por painéis das cenas marianas – Nascimento da Virgem, Casamento de Maria e José, A Anunciação, Adoração dos Pastores e, na sacristia, Apresentação da Virgem no Templo. Todo dia 8 de setembro, realiza-se, com toda pompa e solenidade, a festa máxima da Irmandade. As celebrações prosseguem pelos domingos subsequentes, de modo que o mês inteiro seja dedicado ao culto da santa.

 

Igreja Nossa Senhora da Penna
Ladeira Nossa Senhora da Penna