Sede da Pinakotheke em Botafogo ainda é quase desconhecida do público

Ao contrário do que acontece com sua irmã famosa e concorridíssima na capital paulista, a Pinakotheke Cultural carioca passa quase despercebida na Rua São Clemente, em Botafogo. A charmosa construção abriga exposições relacionadas à arte brasileira e reserva, ainda, um espaço exterior com fonte e lago com carpas, esculturas e banquinhos para apreciação do verde abundante nos jardins, que proporcionam uma espécie de fuga da movimentada via, uma das principais do bairro.

A Pinakotheke iniciou suas atividades no Rio em 1980, como uma organização especializada no planejamento e na produção de mostras e livros exclusivamente voltados para a história da arte no Brasil. Em 1994, inaugurou a sede própria, onde funciona até hoje, após processo de recuperação ambiental do terreno e restauração dos dois prédios que a compõem. Reconhecida por sua atuação no campo editorial, a instituição vem buscando estabelecer presença forte no setor museográfico, promovendo exposições, catalogação e serviços de preservação e segurança de obras de arte de acervos públicos e privados.

As grandes exposições acontecem uma ou duas vezes por ano. Vale ficar de olho no site da instituição e nos cadernos culturais na imprensa para saber quando rola a próxima. A infraestrutura permite receber montagens em diferentes plataformas como pintura, escultura, vídeo, projeção e exibição de utensílios de trabalho dos artistas. Uma delas, realizada de maio a julho deste ano, trouxe obras de Victor Brecheret, nascido na Itália, radicado no Brasil e um dos integrantes da Semana de Arte Moderna de 1922. A mostra reuniu importantes trabalhos de Brecheret e de outros nomes que participaram daquele evento, divisor de águas na cultura brasileira, como Anita Malfatti, Di Cavalcanti e Menotti Del Picchia. As montagens vêm acompanhadas de oficinas – oferecidas gratuitamente e destinadas a crianças, mas abertas a todas as idades –, associadas ao tema ou artista em exposição. No caso de Victor Brecheret, elas se inspiraram nas obras “Carnaval” e “Fantoches da Meia-noite”, ambas de Di Cavalcanti.

Passaram ainda pelo local nos últimos anos as exposições “Oscar Niemeyer (1907-2012): Territórios da Criação” (2017); “A Missão Artística Francesa no Brasil e seus Discípulos” (2016); e “Opinião 65 – 50 anos depois” (2015), entre outras que celebraram a obra de artistas não tão conhecidos do grande público, como Claudio Edinger, Miguel Barceló, Sérvulo Esmeraldo e Jaildo Marinho.

Pinakotheke Cultural
Segunda a sexta-feira, das 10h às 18h; sábado, das 10h às 16h
Rua São Clemente, 300 – Botafogo
Tel.: (21): 2537-7566