Jacob do Bandolim e Cecília Meireles passaram pela escola

Um imponente prédio chama a atenção na Rua da Glória, por destoar de seus atuais vizinhos — imóveis modernos e espelhados e até mesmo alguns arranha-céus. Ele representa uma preciosa joia da arquitetura do início do século XX: a
Escola Municipal Deodoro.

A instituição remonta a um passado glamoroso do Rio e integra o notável conjunto de 20 escolas construídas no começo da Primeira República. Inaugurada 1908, pelo presidente Affonso Penna e pelo prefeito do então Distrito Federal, Souza Aguiar, a unidade de ensino é um típico edifício do estilo conhecido como “ecletismo republicano”.

A opção arquitetônica adotada sinalizou o projeto do novo regime de oferecer uma educação laica, que mostrasse a dissociação entre Estado e Igreja. Sua fachada, com elementos de art nouveau, exprimiu a internacionalização das relações
econômicas e comerciais do País na época e, também, o anseio pela instauração de uma cultura cosmopolita na capital federal.

Diariamente, um grupo de 190 alunos prova que tal projeto foi vitorioso. Os adolescentes que cursam do 7o ao 9o ano do Ensino Fundamental reacendem o rico manancial histórico do local, durante as ações educativas — constitutivas do projeto
político pedagógico da escola — aplicadas pelos professores. E uma curiosidade: usam as mesmas instalações em que o compositor Jacó do Bandolim aprendeu as primeiras letras e nas quais a poetisa Cecília Meireles exerceu o magistério.

O visual eclético da instituição,  que ainda hoje encanta e surpreende turistas e moradores da cidade, compunha, no início do século, um cartão postal muito diferente da cidade, bem anterior ao atual cenário margeado pela Marina da Glória. Ao lado de importantes pontos turísticos, como a Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro e a Praça Paris, a Escola Municipal permanece como símbolo do glamour do histórico bairro da Glória.

Escola Municipal Deodoro
Rua da Glória, 108 – Glória
Tel: (21) 2224-7636