Desde 1907 a chapelaria segue fazendo a cabeça dos homens

Na primeira metade do século XX, era difícil circular pela então Capital Federal sem cruzar com alguém de chapéu. Polo de comércio da peça, o Centro da cidade chegou a abrigar diversas lojas do tipo. Hoje, restam poucas. Uma das sobreviventes é a centenária Chapelaria Alberto, na Rua Buenos Aires, que teve entre os clientes Vinicius de Moraes e o rei Alberto, da Bélgica.

A loja dispõe de boinas, quepes, cartolas, alpacas e chapéus de feltro, só para citar alguns modelos. São tantos os nomes e tipos (abas curtas, longas, risca de giz, lã, xadrez etc.) que, para os não iniciados, uma visita ao estabelecimento pode demorar algumas horas. O mais popular, claro, é o panamá, de palha, procurado por homens e mulheres de meia-idade, além de jovens mais descolados. Ele é perfeito para compor um look verão, além de agir como protetor, na praia ou piscina. As boinas e os chapéus no estilo quepe também dão o ar da graça, para aqueles que buscam combinações modernas, sem deixar de lado o glamour.

Comandada pelo empresário Luis Fadel, a loja (fundada em 1907, sendo o primeiro estabelecimento a ter um letreiro luminoso) ampliou sua linha de produtos ao longo do tempo. Os chapéus — que durante um longo período andaram sumidos das ruas, mas voltaram ao visual do carioca — dividem hoje as vitrines e prateleiras com luvas, camisas, meias, lenços, sungas, pijamas, sobretudos e outros artigos para homens. Em 2015, a Prefeitura do Rio, por meio do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), relacionou a Chapelaria Alberto entre os 13 pontos comerciais para formar a categoria de atividade econômica de bens imateriais da cidade.

Chapelaria Alberto
Segunda a sexta, das 9h às 18h
Sábado, das 9h às 12h30
Rua Buenos Aires, 73 – Centro
Tel: (21) 2252-9939