Travessa coordena encontros ao redor de clássicos e lançamentos literários

Inspirados nas tertúlias francesas e norte-americanas para discutir clássicos e novos títulos do mercado literário de antanho, os encontros do Clube de Leitura da Travessa acontecem desde 2010 nas lojas de Ipanema, Leblon, Botafogo e Centro. A iniciativa partiu de José Américo dos Santos Filho, o Zé Américo, que trabalha para a casa há 16 anos.

Tudo começou por meio da parceria com a editora Companhia das Letras, que, no início, sugeria os livros para o debate. Com o passar do tempo, Américo conquistou autonomia para escolher o formato das reuniões de acordo com o perfil dos participantes, além de ampliar o número de instituições parceiras e a diversidade de público. Na unidade de Botafogo, por exemplo, a maioria dos integrantes é formada por adolescentes; na de Ipanema, por mulheres.

Já no projeto “Escritas Diversas”, uma parceria estabelecida em 2017 entre a Livraria da Travessa e o Museu do Amanhã, os autores também participam das discussões, como o ator Silvero Pereira, que escreveu o livro “BR-Trans”. No encontro em que foi debatido o “Conto da Aia”, da canadense Margaret Atwood, compareceram 43 pessoas – “número recorde dos nossos clubes”, destaca Zé Américo.

O surgimento dessa prática, que conquista cada vez mais adeptos, remonta ao século 18, quando puritanos americanos se reuniam para estudar a Bíblia, e aristocratas franceses se encontravam para compartilhar as novidades intelectuais. Mas o livreiro garante que os clubes de leitura atuais são tão concorridos como os primeiros.

Clube de Leitura da Travessa
Informações: (21) 3993-7510