Casa de culto se mantém desde a fixação da comunidade judaica na Leopoldina

A simplicidade é um valor fundamental para qualquer filosofia religiosa, seja ela ocidental ou oriental. Preceitos como humildade e amor ao próximo podem acabar se perdendo em meio à riqueza material excessiva. Nesse contexto harmônico atua a sinagoga Ahavat Shalom, em Olaria. O templo é o único que celebra a cultura judaica no subúrbio carioca.

Os princípios semitas se evidenciam na estrutura modesta, com janelas em basculante. Ali, não há grandes buffets, nem festas pomposas, mas sim o culto a Deus a partir dos mandamentos da primeira religião monoteísta do ocidente. A pequena sinagoga teve a sua consolidação entre as décadas de 1930 e 1960 com o assentamento e a expansão da comunidade judaica pela Zona da Leopoldina. No entanto, ao passar dos anos, ocorreu uma migração em massa dos praticantes da região para outros bairros da cidade. Graças ao médico Soil Zuchen, último dos imigrantes originais que permanece no local, a edificação, bem simples, conseguiu se manter.

Há cerca de sete anos, um grupo de 40 antigos moradores se uniu para reformar o templo. A arrecadação dos contribuintes custeia as despesas mensais de luz, água, limpeza e kidush — ritual que envolve reza e consumo de vinho doce — e envolve contribuições para a Tsedaká — espécie de dízimo judaico. A sinagoga funciona aos sábados e em datas comemorativas como
Rosh Hashanah, Yom Kipur, Simchat Torá, Pessach, Chanuká e Purim.

Sinagoga Ahavat Shalom
Rua Juvenal Galeno, 29 – Olaria
Tel: (21) 2560-5424