Artista plástico transforma lixo em peças de artes

Que Santa Teresa é envolta por uma aura romântica e um charme único até os famosos trilhos urbanos do bairro sabem. Como se não bastasse, abriga também iniciativas culturais originalíssimas. Afinal, onde mais poderíamos nos deparar com um ateliê-bondinho? Pois o Ateliê Chamego Bonzolândia, do artista plástico Getúlio Damado, virou uma grande referência no cenário cultural carioca. Lá, encontram-se bonecos, réplicas dos bondes — e uma das histórias artísticas mais bonitas da região.

Damado chegou ao Rio de Janeiro com 16 anos, no início da década de 70, vindo de Minas Gerais. Estabeleceu-se em Santa Teresa como vendedor ambulante e se tornou pai de dois filhos, abandonados pela mãe ainda crianças. Mas o homem simples tinha um dom especial: enxergava além do que a maior parte das pessoas via em garrafas pets, latas, telefone quebrado, pedaços de pau. Tudo foi usado para construir peças impressionantes. Onde olhares desatentos veem lixo, o artista capta luxo.

E põe luxo nisso, uma vez que o trabalho dele já foi divulgado em mais de 150 exposições por museus, universidades e centros culturais até na Europa.

Tanto prestígio não abalou sua preferência, pois o xodó continua sendo a velha e boa Santa. O maior orgulho que guarda do bairro vem da ajuda comunitária. “Os moradores trazem os materiais e acabam adquirindo minhas obras”, acrescenta. E a relação se mantém tão fiel, conta, que a maioria das compras são feitas por eles, superando até mesmo as dos turistas.

amado confessa que muitas pessoas demonstram curiosidade pela confecção das peças, mas poucos as levam para casa. Com um sorriso no rosto, ele afirma que não espera ficar rico com seus trabalhos. “Viver da arte já significa uma vitória. É preciso haver alguém, como eu, por exemplo, que reaproveite o material do lixo e o transforme em algo útil para as pessoas”, finaliza.

Ateliê Chamego Bonzolândia
Rua Leopoldo Fróes, 15 – Santa Teresa
Tel: (21) 2531-9066