Acervo de 30 mil discos de vinil atrai público exigente, como Ed Motta e Marcelo D2

Toca-discos, LP, vinil e fita cassete são objetos quase desconhecidos da geração nascida no século XXI. Mas alguns espaços ainda resistem ao tempo e contribuem para apresentar e disseminar essas antigas formas de ouvir música a um novo público. A Tropicália Discos, aberta há 15 anos, sobressai-se entre os principais, com um acervo de 30 mil discos de vinil na loja, além da mesma quantidade guardada em estoque.

Um dos sócios, Bruno Alonso conta que a freguesia é bastante variada, incluindo uma leva de adolescentes, que começam a frequentar o espaço, geralmente por influência dos pais. Além da clientela cativa, composta por músicos (do naipe de Ed Motta e Marcelo D2), DJs e colecionadores, a loja recebe muitos turistas à procura, sobretudo, de vinis de MPB. O estabelecimento é bastante difundido no exterior, tanto que alguns gringos já comentaram com o proprietário que a Tropicália representa a loja nacional mais conhecida no mercado de discos fora do Brasil.

Os clientes podem ouvir in loco os vinis que pretendem adquirir. Há um toca-discos à disposição e o ambiente nunca fica em silêncio. Márcio Rocha, também sócio, relata que essa prática não é comum em lojas do gênero em outros países. Destaca-se, ainda, um gramofone decorativo no espaço, que tem as paredes preenchidas de cima a baixo com o acervo, devidamente catalogado e em ótimas condições.

Apesar do nome com identidade bem brasileira, o acervo reúne também exemplares de artistas estrangeiros, com maior presença de rock e jazz. O estoque é constantemente renovado, seja por intermédio de pessoas que oferecem os LPs que têm ainda em casa ou pelo intercâmbio junto a outros lojistas e colecionadores.

Marcio e Bruno revelam que decidiram abrir o espaço no intuito de garantir que a cidade mantenha essa tradição. “O LP nunca acabou e continua resistindo. É a mídia perfeita para ouvir música, com todo o seu charme, que vai do ato de colocar o vinil no toca-discos e, depois, virá-lo para escutar o lado B, até as capas dos exemplares, muitas feitas por grandes artistas”, explica Bruno.

Tropicália Discos
Segunda a sexta, das 11h30 às 20h; sábado, das 10h às 14h
Praça Olavo Bilac, 28/207 – Centro
Tel.: (21) 2224-9215