Jardins do Museu da República recebem exposição de grandes fotógrafos e amadores

O Palácio do Catete já foi o símbolo maior da República, moradia, desde 1897, de 16 presidentes — o mais emblemático deles, Getúlio Vargas. Depois da mudança da capital para Brasília, em 1960, o local virou museu e seus jardins, uma grande área de lazer. É lá que acontece, todo último domingo do mês, a Feira de Fotografia e Imagem, organizada pela Associação Brasileira de Arte Fotográfica (Abaf).

Comandada há 17 anos pelo diretor da entidade, Cilano Simões, a feira foi criada em 1999 por Roberto Cerqueira, ex-diretor da Associação Profissional de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Rio de Janeiro (Arfoc-Rio). Montada na lateral esquerda dos jardins, reúne trabalhos de fotógrafos amadores e também de importantes nomes da arte no Brasil, aos quais é reservado um espaço especial em um painel de bambu, onde as imagens ficam expostas ao público.

A cada edição, sob um tema específico, um profissional da fotografia reconhecido nacionalmente é convidado a mostrar os seus trabalhos, a exemplo de Custódio Coimbra e Domingos Peixoto, autor da premiada foto de uma ave da espécie mergulhão, coberta de petróleo após acidente com navio da Petrobras na Baía de Guanabara, em 2000.

Em agosto, a feira — sempre embalada por música ao vivo — completou 18 anos, com uma programação festiva que incluiu a apresentação de palhaços e do grupo Simplesmente, que recitou poesias a partir das fotos expostas. “Não nos interessamos em levar o evento a outros lugares. Estamos em um local privilegiado, histórico, turístico, com segurança e conforto para os visitantes”, afirma Cilano Simões.

Feira de Fotografia e Imagem
Todo último domingo do mês, das 10h às 18h
Museu da República: Rua do Catete, 153