Mais de 300 peças remontam a história dos bondes cariocas desde o fim do século 19

Situado em Santa Teresa – o último bairro carioca servido por esse tipo de transporte –, o Museu do Bonde reúne
mais de 300 peças que contam a história desse veículo sobre trilhos no Rio, desde o final do século 19, quando os carros eram movidos a tração animal; inclusive, um antigo modelo puxado por burros, em tamanho real, está exposto na entrada do museu, que fica na garagem e oficina de manutenção dos bondinhos.

O acervo é composto por réplicas em miniaturas, campainhas e relógios originais, balaústres, uniformes de motorneiros e condutores, entre outros objetos, além de fotos, vídeos e livros que ilustram a narrativa desse transporte ferrocarril. Como se pode observar por intermédio das maquetes e dos veículos preservados, o sistema passou por diferentes fases e era composto por modelos de transporte de passeios e, também, bondes especiais, destinados a deslocamento de carga e manutenção, sem teto e com guindaste acoplado. Existiram até unidades “ambulância”, para socorro e remoção de pessoas.

Os visitantes têm à disposição músicas e crônicas escritas em homenagem a esse nostálgico meio de transporte, que marcou o cotidiano carioca até 1963, quando o bonde foi retirado de circulação, permanecendo apenas o de Santa Teresa. Antes de ocupar o atual endereço no bairro, o museu, criado em 1979, funcionou na Estação Carioca do Bonde, no Centro, por mais de duas décadas.

Museu do Bonde
Diariamente, das 10h às 16h
Rua Lélio Gama, s/no – Centro
Tel.: (21) 2332-8422