Todos são bem-vindos às rodas de dança circulares promovidas no Catete

Em resgate a uma prática ancestral, a organização das Rodas de Danças Circulares Sagradas nos tempos atuais busca proporcionar a vivência da fraternidade, alegria e cooperação, estimulando o contato com o sagrado que existe dentro de cada um. Para participar não são necessárias habilidades especiais. Basta querer compartilhar boas energias e dar as mãos a outros integrantes das rodas.

Os movimentos simples e repetidos de algumas danças – tradicionais, regionais, folclóricas ou contemporâneas – aproximam as pessoas, promovendo uma integração física, mental, emocional e espiri­tual. Eles são embalados por músicas típicas de diversos países, que imprimem o ritmo dos passos. Um dos benefícios observados nessa experiência comunitária é o combate ao estresse e depressão.

Organizadora da prática no Rio há 16 anos, Ana Maria Meneses explica que acontecem várias rodas na cidade, gratuitas e geralmente em praças públicas. Para conhecer a programação, a dica é acompanhar os grupos “Danças Circulares no Rio de Janeiro” e “Agenda de Danças Circulares no RJ” pelo Facebook. Entre as que Ana promove, está a Roda da Gratidão, criada em 2006 e reconhecida pela Secretaria Municipal de Cultura e o Comitê Rio 450 como “Ação Local” em março de 2015. É realizada uma vez por mês, na Escola Vital Brasil, no bairro do Catete.

O movimento denominado Danças Circulares Sagradas nasceu na década de 50, quando o bailarino, coreógrafo e artista plástico polonês Bernhard Wosien decidiu pesquisar e reencenar antigas rodas da Europa Oriental. A prática acabou se espalhando por outros continentes nas décadas seguintes. O principal enfoque não é a técnica, mas sim o sentimento de união de grupo que se instala a partir do singelo ato de dar as mãos. Pessoas de qualquer idade, que desejem tomar consciência de seu corpo, acalmar o emocional e trabalhar concentração e memória são muito bem-vindas às rodas.

Rodas de Danças Circulares Sagradas
Programação nos grupos de Facebook
“Danças Circulares no Rio de Janeiro” e
“Agenda de Danças Circulares no RJ”