Celeiro de novos bambas em instrumentos típicos do carnaval

O carnaval de rua do Rio ganhou força novamente há alguns anos e, nessa onda, cresceu o movimento de quem deseja participar da festa de uma forma diferente. Os foliões não se satisfazem mais em apenas curtir a batucada: querem assumir o posto de membros efetivos de algum bloco, tocando empolgadamente um instrumento – e no ritmo certo.

Foi por meio da observação dessa demanda progressiva que surgiu a Oficina de Percussão Du Rio, capitaneada por egressos de blocos tradicionais da cidade, como o Bangalafumenga e o Monobloco. O projeto – desenvolvido na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, e no Estúdio Be Happy, em Botafogo – inclui aulas semanais, com duas horas de duração, de surdo, tamborim, caixa, repique, chocalho e agogô. O repertório, bem eclético, vai de clássicos do samba, frevo e marchinha até os universos do pop, reggae e funk.

Os aspirantes a músicos vão, pouco a pouco, evoluindo em seus desempenhos individuais e em grupo. Mesmo quem nunca tenha tocado um instrumento, já desde a primeira lição consegue extrair um barulhinho bom dos apetrechos percussivos. A ideia é aperfeiçoar ao máximo a qualidade da performance, tanto na técnica da batucada quanto na variação rítmica.

Os resultados vão depender também da dedicação do aluno e de qual caminho ele deseja trilhar – se apenas atuar na concentração dos blocos e das rodas organizadas ao longo do ano pela Du Rio com craques batuqueiros, ou, à frente, participar de eventos e desfiles mais desafiadores.

Oficina de Percussão Du Rio
Estúdio Be Happy – Botafogo
Cidade das Artes – Barra da Tijuca
Tel.: (21): 98123-8409